IBGE aponta que extrema pobreza aumentou no Maranhão durante governo Flávio Dino

Três anos depois de a família Sarney deixar o governo do Maranhão, o Estado ainda se depara com uma realidade estigmatizante de pobreza e corrupção. Pesquisa do IBGE de dezembro mostrou que o Maranhão foi a única unidade federativa em que mais da metade (52%) da população viveu em situação de pobreza em 2016.

A recessão que abateu a economia nacional foi mais severa no Estado, onde o PIB despencou 8% no acumulado de 2015 e 2016, de acordo com o dados do governo maranhense. A extrema pobreza avançou lá em quase 2% nos últimos três anos, como no restante do Nordeste.

O governador Flávio Dino (PCdoB) disse que a expectativa é crescer até 3% em 2017 e 4% em 2018, com a pujança do agronegócio. “O que tentamos colocar no lugar do patrimonialismo e hiperconcentração de riqueza que herdamos é uma economia mais forte e diversificada, que tenha políticas sociais capazes de distribuir a renda e que haja probidade e honestidade na gestão do dinheiro público”, afirmou Dino.

No cenário de encolhimento da economia, a corrupção continua a drenar recursos públicos, exemplo disto é o que apontou a Polícia Federal através da Operações Pegadores, onde membros do governo comunista desviaram milhões e ainda empregaram centenas de aliados políticos, exercendo função de funcionários fantasmas na saúde pública do Maranhão.

As informações são da Folha de São Paulo.